Desenvolvimento

Como identificar e reverter a falta de engajamento na empresa?

Escrito por DorseyRocha

Todas as grandes empresas que despontam de forma duradoura no mercado têm uma equipe sólida e eficiente que ampara sua produção e resultados. Poderia se dizer que seus gestores têm a sorte de contar com colaboradores comprometidos? Na maioria dos casos, o segredo é uma gestão eficaz do desempenho que conseguiu contornar, de forma efetiva, o perigo sempre ameaçador da falta de engajamento na empresa. 

A irregularidade do envolvimento no ambiente organizacional acarreta sempre impactos negativos. Trazendo perda de prazos, diminuição da capacidade produtiva e dificuldade em alcançar as metas estabelecidas, a falta de engajamento acaba por demandar mais energia e recursos da empresa. 

O envolvimento de um profissional, no entanto, está além da entrega de resultados medianos  que acabam sendo aceitos como normais. Ele se expressa na forma como o colaborador se envolve em termos de responsabilidade e de estabilidade emocional, sendo o capital humano a engrenagem mais potente de uma empresa.

Confira neste texto formas de identificar a falta de engajamento na empresa, sabendo como reverter esse quadro e gerando colaboradores efetivamente mais comprometidos. 

Queda e irregularidade nas entregas

Todos esperam que o desempenho de um colaborador melhore com o passar do tempo, de modo que a prática e a experiência resultem em serviços de excelência. Porém, nem sempre o exercício de uma função se traduz em uma constância em termos de qualidade, podendo inclusive variar de ótimo para regular em um intervalo pequeno de tempo.

Grande parte desse problema se dá pela maneira como o colaborador automatiza as próprias funções, perdendo o engajamento ou mesmo a vontade de amadurecer profissionalmente. Elaborar estratégias de participação, criando novos meios de fazer emergir o potencial criativo e acompanhamento constante são formas de garantir o nível de qualidade do profissional.

Erros na comunicação

Outro grande problema nas empresas são as complicações causadas por falhas de comunicação entre líderes, gerentes, colaboradores e equipe. A falta de clareza na elaboração de tarefas, má supervisão de atividades e uso incorreto das ferramentas de comunicação são alguns dos motivos que geram adversidades na interlocução.

Embora não determinante na falta de engajamento de um colaborador, o descuido do gestor na comunicação pode ter um efeito nocivo no engajamento da pessoa. Sobretudo, se a comunicação for algo impessoal, sem a possibilidade real de troca de informação relevante no dia a dia. Erros decorrentes de mal entendidos podem levar a perdas de toda natureza, como não alcançar prazos ou ter que refazer tarefas, gerando muito incômodo tanto para os profissionais quanto para os clientes envolvidos.  Melhorar o diálogo e o ambiente geral de transparência nas relações interpessoais certamente pode fazer muita diferença no sentido de pertencimento, e por consequência no engajamento do colaborador.

Falta de interesse nos processos colaborativos

Um ambiente organizacional bem estabelecido tem como efeito prático trabalhos de alto conteúdo, melhorando os resultados consistentemente tanto junto aos clientes internos como externos. Uma boa equipe possui profissionais que sabem dosar autonomia com colaboração, conseguindo contribuições superiores à média tanto em atividades em que a pessoa atue sozinha quanto em processos compartilhados.

Profissionais que apresentam alto desempenho em uma função, mas não conseguem alcançar os mesmos objetivos em outro papel, precisam ser assessorados para identificarem os motivos que diminuem seu engajamento. Observação direta, questionários de avaliação e relatórios de rendimento podem apontar os pontos fracos e fortes de cada agente.

Resistência à autoridade

Pessoas que não conseguem se relacionar de modo saudável com autoridade podem, em um ambiente de trabalho, gerar transtornos não só em razão de sua conduta, mas também por influenciar toda uma equipe. 

Geralmente esses funcionários denotam uma atitude evasiva e pouco colaborativa, seja pela necessidade de autoafirmação ou pela dificuldade em lidar com regras. Nesses casos, o comportamento pode ser revertido se é iniciado um diálogo aberto e assertivo com o profissional, capaz de ajudar a pessoa a lidar com pressão e cargos superiores.

Falta de participação

Um colaborador bem integrado está por dentro do que acontece na empresa, seja no seu setor ou fora dele. Todos os profissionais de uma empresa devem ser conscientes e reconhecer sua parte como engrenagem de um todo, sabendo que a sua ação ocasiona no bom andamento dos processos de trabalho. 

O colaborador excessivamente passivo, que não se interessa pelos projetos e apresenta desânimo na realização das funções, certamente precisa de orientação focalizada, estímulo e coaching para demonstrar o seu potencial. 

De um modo geral, todo profissional apresenta capacidade produtiva e está apto a se tornar mais participativo. Para isso, podem ser elaborados programas para estimular a participação e o comprometimento de forma sustentável.

Alta rotatividade de colaboradores

A forma de recrutar profissionais pode também influenciar o andamento das tarefas de uma empresa. A instituição deve ser atrativa em termos de salário, mas também de crescimento e reconhecimento profissional. A inserção de novos profissionais interfere no andamento das tarefas, exigindo mais dinheiro, energia e tempo para desenvolver projetos.

Estar atento às tendências do mercado e modificar as estruturas a fim de lidar de modo mais coerente com os serviços e produtos que proporciona é uma forma de tornar a equipe sólida, engajada e comprometida. Quanto mais oportunidades os profissionais visualizarem dentro da empresa, maior será o desejo e o esforço de permanecerem ali.

Falta de feedback e reconhecimento

Todo profissional busca uma oportunidade de crescimento, seja dentro ou fora da empresa. Depois de algum tempo de empresa, ou após a conclusão de um projeto desafiador, é natural o funcionário responsável esperar alguma forma de reconhecimento — seja por feedback de seu chefe, benefícios ou promoção de cargo. 

A geração de oportunidades internas deve ser uma meta a ser cumprida por parte dos gestores, oferecendo programas de especialização, intercâmbio e benefícios. 

Dificuldades no atendimento a cliente

Alguns colaboradores são excelentes nas funções internas, mas acabam fazendo ações pouco impactantes quando em contato com clientes. Por afetar diretamente a imagem da empresa, todo problema relacionado a clientes precisa ser gerenciado de forma direta e tão breve quanto possível.

Nem todos os profissionais desejam lidar com clientes, mesmo que suas funções exijam que o faça. Ter uma política clara  com regras a serem seguidas é um bom passo para começar a estruturar o atendimento. Se o colaborador já mostra um engajamento significativo com a empresa, a questão pode se limitar a uma necessidade de orientação, coaching e eventualmente treinamento on the job que reposicionarão a pessoa no novo contexto. Embora nem sempre esteja ao alcance dos administradores de empresa, o bem-estar afetivo dos profissionais é essencial para combater a falta de engajamento na empresa. 

A falta de comprometimento é um dos problemas mais comuns nas empresas, que pode ser altamente revertido quando gestores e a administração estão munidos dos instrumentos certos. Para saber quais outros transtornos enfrentados pela maioria das corporações brasileiras, conheça nosso post sobre os 4 desafios empresariais mais comuns e saiba como superá-los!

Sobre o autor

DorseyRocha

Deixar comentário.

Share This